Carregando...
JusBrasil - Notícias
24 de novembro de 2014
Finalizar

Denúncia de lavagem cerebral em seita será tratada em comissão

Publicado por Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais (extraído pelo JusBrasil) - 5 anos atrás

LEIAM 0 NÃO LEIAM

A denúncia de que uma seita estaria retirando crianças da convivência familiar, por meio de doutrinação, será discutida pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. A audiência pública, requerida pelo presidente da comissão, deputado Durval Ângelo (PT), será nesta quarta-feira (9/9/09), às 9 horas, no Auditório. O parlamentar foi procurado por um casal que, com seus filhos, pertenceu à Igreja Ministério Verbo Vivo, sediada em São Joaquim de Bicas (Região Metropolitana de Belo Horizonte). O casal relatou que abandonou a seita, mas seus filhos - um rapaz e uma moça - continuaram na igreja e passaram a renegar os pais.

Um dossiê encaminhado ao deputado relata que a Igreja Ministério Verbo Vivo tem em sua sede uma instituição de ensino, a Escola Verbo Vivo, na qual faz uma "lavagem cerebral" nos alunos. A igreja é liderada, em Minas, pelo casal John David Martin (cidadão americano) e Marialva Pinheiro Martin e segue a doutrina de uma pastora americana, Jane Whaley, líder da Word of Faith Fellowship. De acordo com o dossiê, a igreja tem também uma filial na cidade de São Paulo.

Dossiê - Ainda segundo o dossiê, cerca de 130 crianças, adolescentes e jovens estudam na escola Verbo Vivo, sendo que muitos teriam deixado suas famílias para morar na igreja. Lá, eles seriam submetidos a cultos diários e o ensino seria totalmente deficitário. Os alunos não têm livros de português, não podem ler obras literárias, não fazem pesquisa, nem usam a internet, pois segundo os dirigentes, essas seriam formas de contato com o pecado. Além disso, os estudantes também não podem usar o celular, não têm intervalo entre as aulas, fazendo lanche na própria sala, sob a supervisão de um professor, e não podem conversar entre si. A repressão sexual é total e os pais são impedidos de ver os filhos, principalmente se os primeiros não são membros da igreja.

O documento dá conta também de que os alunos são severamente reprimidos e obrigados a contar seus "pensamentos impuros", sofrendo humilhações diversas na frente de todos. Os que "não dão o coração" são submetidos a um "tratamento" ou "disciplina" e obrigados a ficar por dias e até semanas sozinhos, isolados em uma sala, impedidos de todas as atividades e podendo somente assistir aos cultos pela televisão. Outra denúncia é de que jovens da seita são levados irregularmente para os Estados Unidos, onde trabalhariam para fiéis da matriz americana ou na própria igreja, por até 15 horas, sem receberem salários.

Convidados - Várias testemunhas participarão da audiência pública da comissão, entre elas, pais de alunos da Verbo Vivo que deixaram suas famílias, ex-alunos e ex-membros da igreja. Foram também convidados: o coordenador do Conselho Tutelar de Betim, Alessandro Augusto Leite; a presidente do Conselho Tutelar de São Joaquim de Bicas, Maíze Cristine Gouveia de Andrade; o prefeito de São Joaquim de Bicas, Antônio Carlos Resende; o promotor Flávio Silva Júnior, da comarca de Ibirité; a promotora de Justiça e coordenadora do Centro de Apoio Operacional (CAÓ) da Infância e da Juventude, Andrea Mismotto Carelli; o superintendente regional da Polícia Federal em Minas Gerais, Jerry Antunes de Oliveira; o delegado de Polícia Civil Geraldo de Amaral Toledo Neto; o promotor de Justiça da Comarca de Igarapé, Flávio Silva Júnior; além das testemunhas Jorge Luiz Coelho Linhares e Eduardo Andrade Gonzaga Júnior.

Conforme informações do gabinete de Durval Ângelo, vários órgãos representados já teriam recebido denúncias da ação da Igreja Ministério do Verbo Vivo.

Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - www.almg.gov.br

Rua Rodrigues Caldas,30 :: Bairro Santo Agostinho :: CEP 30190 921 :: Belo Horizonte :: MG :: Brasil :: Telefone (31) 2108 7715

Amplie seu estudo

1 Comentário

Faça um comentário construtivo abaixo e ganhe votos da comunidade!

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "gritar" ;)
Eryka Arruda

Nossa, fiquei surpresa com a semelhança com uma seita que há aqui próximo. No bairro ao lado do meu acontece algo bem parecido, porém não com uma escola, como é mencionado acima, mas tem relação a um "Encontro com Deus". Conheço pessoas que saíram de lá e hoje sentem ou remorso ou medo do ambiente, ela faz parte de uma doutrina chamada G12, que por muitos da mesma religião é questionável. Não entendo o porquê de não haver uma denuncia da tal "igreja", mas que lá tem muita coisa estranha, ah tem!

2 meses atrás Responder Reportar
Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "gritar" ;) Cancelar

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Escolha uma cidade da lista
Disponível em: http://al-mg.jusbrasil.com.br/noticias/1856650/denuncia-de-lavagem-cerebral-em-seita-sera-tratada-em-comissao